Brazil: A nova regulação das fintechs de crédito

Last Updated: 10 October 2017
Article by Fabio Kupfermann Rodarte

Está aberto o Edital de Consulta Pública 55/2017 do Banco Central (BC), sobre a constituição e o funcionamento das fintechs de crédito, como são conhecidas as empresas que empregam intensivamente tecnologia com o objetivo de prestar serviços financeiros de oferta de crédito. A tão aguardada resolução procura trazer mais agilidade, eficiência e independência para essas empresas, com redução de seus custos operacionais e potencial aumento da concorrência no sistema financeiro.

A minuta de resolução cria duas figuras que dependerão de autorização do BC para operar: a Sociedade de Crédito Direto (SCD) e a Sociedade de Empréstimo entre Pessoas (SEP). A primeira é definida como instituição financeira que realiza empréstimos a partir de capital próprio e exclusivamente por meio de plataforma eletrônica. A segunda é instituição financeira voltada à realização de empréstimos entre pessoas também por meio de plataforma eletrônica. A SEP é uma intermediadora de empréstimos entre credores e devedores, ou como são chamadas essas operações: peer to peer lending.

A primeira questão que se coloca é se essas novas sociedades são mesmo instituições financeiras, como foram designadas pela minuta de resolução.

O artigo 17 da Lei n°4.595, de 31 de dezembro de 1964, considera instituições financeiras "as pessoas jurídicas públicas ou privadas, que tenham como atividade principal ou acessória a coleta, intermediação ou aplicação de recursos financeiros próprios ou de terceiros, em moeda nacional ou estrangeira, e a custódia de valor de propriedade de terceiros." Como se vê, a instituição financeira define-se pela prática de atividades privativas.

A definição legal de instituições financeiras é demasiado ampla: sua interpretação literal poderia levar a resultados absurdos. Por exemplo, todas as empresas que aplicam no mercado financeiro os recursos obtidos a partir de suas atividades como forma de se protegerem contra perda de valor de seu capital de giro (ou seja, quase todas as empresas brasileiras) estariam praticando atividades privativas de instituições financeiras e precisariam de autorização para operar.

Por essa razão, a doutrina tem conferido interpretações mais restritivas ao texto legal. Entende-se que a caracterização de instituição financeira exige cumulativamente (i) a captação de recursos de terceiros em nome próprio, (ii) seguida de repasse financeiro através de operação de mútuo, (iii) com o intuito de auferir lucro derivado da maior remuneração dos recursos repassados em relação aos recursos coletados, (iv) desde que a captação seguida de repasse se realize em caráter habitual.1 Em outras palavras, a caracterização da atividade privativa de instituição financeira depende da ocorrência concomitante de três operações: captação, intermediação e aplicação.2

Essa interpretação faz sentido, inclusive sob o aspecto da proteção da poupança popular. A mera aplicação de recursos não captados de terceiros não põe em risco as economias do público e, portanto, não deve ser tida como atividade privativa.3 Aliás, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu a presença de recursos de terceiros como essencial à caracterização de instituição financeira4 e firmou entendimento no sentido de que empresas de factoring não são instituições financeiras justamente por não efetuarem operação de mútuo ou captação de recursos de terceiros.5

Voltando ao caso da SCD, essa só poderá utilizar capital próprio, sendo-lhe vedado captar recursos do público. Ou seja, essas sociedades só podem conceder empréstimos com capital dos próprios acionistas. Ainda que essas empresas integrem o Sistema Financeiro Nacional (SFN) e dependam de autorização do BC, não há exercício de atividade privativa de instituição financeira. Logo, a SCD não é uma instituição financeira propriamente dita.

Já a SEP funda-se em uma estrutura mais robusta. Apenas entidades integrantes do SFN podem emprestar a taxas de juros superiores aos limites da Lei da Usura (Decreto nº 22.626, de 7 abril de 1933).6 Para contornar essa limitação e permitir que empréstimos entre credores e devedores pela plataforma eletrônica da SEP possam ter seus encargos livremente pactuados, a proposta de resolução lança mão de uma estrutura em que o empréstimo é concedido pela própria SEP, no lugar do credor investidor: (i) o credor disponibiliza recursos à sociedade; (ii) o instrumento representativo do empréstimo tomado pelo devedor é emitido pela SEP ou em favor dela; (iii) o instrumento é imediatamente cedido ou endossado ao credor final; (iv) os recursos são finalmente transferidos ao devedor. A SEP poderá cobrar tarifas por essa operação e pelos serviços assessórios prestados.

A estrutura pode não ser a forma mais convencional de ofertar créditos, mas atende aos requisitos da atividade privativa de instituição financeira, uma vez que está presente a captação de recursos de terceiros (os credores investidores), seguida de repasse aos devedores por meio de empréstimos financeiros, ambos em nome da SEP.

Essas conclusões têm impacto prático imediato. O Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT) veda a instalação no país de instituições financeiras com participação de capital estrangeiro e o aumento da participação estrangeira das que já aqui operam, exceto em caso de decreto presidencial atestando interesse do Governo Brasileiro ou autorizações resultantes de acordos internacionais. É essencial saber se essa limitação é aplicável às SEPs e SCDs, uma vez que várias fintechs de crédito em operação no país ou interessadas em aqui se instalar possuem participação estrangeira. A autorização presidencial depende de disposição política e pode demorar anos para ser expedida.

Ocorre que a restrição constitucional incide apenas sobre instituições financeiras. Como a SCD não é instituição financeira propriamente dita, não requer autorização presidencial. A SEP com participação estrangeira, por sua vez, terá de obter (além da autorização do BC) autorização da Presidência da República.

Porém, fintechs já estão atuando no Brasil e o tempo de espera por novas autorizações pode ser prejudicial a suas atividades. Hoje, elas geralmente agem como correspondentes bancários, sempre em parceria com uma instituição financeira que formaliza as operações de crédito originadas pelas plataformas digitais. A estrutura atual é mais complexa, pois exige um banco parceiro e envolve um feixe de contratos e de operações mais denso. É possível afirmar que hoje as fintechs de crédito estão "dando uma volta muito grande, juntando pedaços de regras criadas"7 para só assim viabilizar seu negócio.

Por outro lado, a estrutura existente é lícita e pode continuar a ser utilizada por essas plataformas. Isso ocorrerá caso essas fintechs entendam que os custos e o tempo que terão que dispender para conseguir autorização do BC e da Presidência (quando aplicável) são muito elevados e não compensam os esforços. Além de que essas fintechs terão que observar um conjunto maior de regras enquanto entidades reguladas do que enquanto meros correspondentes bancários. É possível que a estrutura atual, com uma "volta maior", não seja descartada por alguns, pelo menos em um primeiro momento. Afinal, nem sempre a menor distância entre dois pontos é uma reta.

Seguindo uma tendência do mercado internacional, a minuta de resolução procurou inovar ao permitir que fundos de investimento brasileiros e estrangeiros sejam controladores de SEPs ou SCDs. Assim, além de pessoas jurídicas e naturais, também as entidades despersonalizadas (como são os fundos brasileiros e parte dos fundos estrangeiros) poderiam deter o controle dessas sociedades. Isso as faz diferentes, por exemplo, de bancos e sociedades de crédito, que só podem ser controlados diretamente por pessoas naturais ou holdings financeiras.

Porém, conforme observado, o ADCT vedou a instalação no país de instituições financeiras com participação de capital estrangeiro. Por se tratar de norma constitucional, requer emenda constitucional para que seja alterada (o que envolve, dentre outros requisitos, aprovação de três quintos dos membros de cada casa do Congresso Nacional, em dois turnos). Assim, a permissão regulatória a que fundos estrangeiros controlem uma SEP não elimina a necessidade de posterior autorização do Executivo atestando interesse do Governo, a qual só poderia ser dispensada por meio de uma emenda constitucional. A SCD, por sua vez, não é instituição financeira e foge ao âmbito de aplicação da restrição do ADCT. No caso da SCD, além de fundos estrangeiros, a norma poderia tornar mais claro que pessoas naturais, entidades despersonalizadas e também outras pessoas jurídicas estrangeiras que não apenas as holdings financeiras podem deter seu controle.

Outra constatação é a redução de garantias aos empréstimos obtidos por intermédio das plataformas eletrônicas. Na estrutura comumente adotada pelas fintechs de crédito atualmente, o investidor empresta recursos para a instituição financeira parceira, que emite recibos de depósito bancário (RDBs), representativos do depósito feito pelo investidor.8 Os RDBs são garantidos pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC) até o limite de R$250 mil. Na estrutura proposta pela nova norma, por outro lado, as captações efetuadas por uma SEP não terão cobertura do FGC, pois essa proteção é restrita às instituições associadas ao fundo e que contribuem mensalmente para o mesmo.

Além disso, fica vedado à SEP coobrigar-se ou prestar qualquer tipo de garantia nas operações de empréstimo que intermediar. As garantias podem ser oferecidas pelos devedores aos credores, mas não pela sociedade de empréstimos, que também não poderá expor-se por meio de fundo de investimento ao risco de crédito das operações. Essa vedação reduz a segurança dos credores. Hoje, para atrair investidores, algumas fintechs de crédito têm optado pela criação de um fundo de investimentos em direitos creditórios, cujas cotas seniores são transferidas aos credores em troca da disponibilização de recursos e cujas cotas subordinadas ficam com a própria fintech. Como o cotista da classe subordinada só recebe o pagamento pelo resgate ou amortização de suas cotas depois do cotista senior, a estrutura funciona como forma de garantia adicional aos credores do fundo.

A estrutura dos empréstimos via SEP, como descrita acima, passa pela cessão ou endosso de instrumentos representativos do empréstimo aos credores. Isso não deveria representar qualquer empecilho às operações; porém, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) determinou recentemente a redução dos juros, da correção monetária e dos demais encargos cobrados com base em Cédula de Crédito Bancário (CCB) em razão da cessão do crédito a entidade não financeira.

O Código Civil prevê expressamente que a cessão de um crédito abrange todos os seus acessórios (como juros e correção monetária), a não ser que o instrumento de cessão disponha de outra forma. Porém, o TJ-SP entendeu que os juros acima da Lei de Usura não poderiam ser cedidos a entidades não financeiras, pois apenas entidades integrantes do SFN poderiam ser titulares de tais direitos como originalmente contratados. O posicionamento do STJ não deve vir desta vez, pois o credor juntou petição de desistência antes do julgamento do recurso que havia interposto ao STJ.

Prevalecendo o entendimento do TJ-SP, a cessão de créditos a credor não integrante do SFN exigiria uma logística complexa para a cobrança dos juros. Para evitar o enriquecimento sem causa do devedor, caberia ao cessionário o direito de cobrar principal e encargos até o limite da Lei da Usura e ao cedente, cobrar a diferença entre estes e os pactuados na Cédula. A tarefa é ainda mais complexa diante das hesitações jurisprudenciais sobre qual a taxa máxima aceita pela Lei da Usura: 12% ao ano, taxa Selic, ou o dobro da Selic. Outro problema é que a SEP não conseguirá eliminar integralmente os créditos cedidos de seu balanço.9 Apesar de o edital de consulta pública apresentar a segurança jurídica como um dos motivos da proposta de resolução, não há como descartar a possibilidade de outras decisões judiciais nesse sentido, impondo obstáculos à satisfação do crédito dos investidores em eventual processo judicial e, é claro, desconfigurando o modelo de SEP.

O edital está disponível no site do BC e as sugestões serão recebidas até 17 de novembro de 2017.

Footnotes

1  Eduardo Salomão Neto, Direito Bancário, 2ª edição, São Paulo, 2014, p. 29.

2  A jurisprudência administrativa do Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, apesar de crítica à amplitude desmensurada da definição legal de atividade privativa de instituição financeira, tem adotado interpretação mais literal do texto normativo, segundo a qual não é necessária cumulatividade entre as atividades de captação, intermediação e aplicação. Nesse sentido: Recurso CRSFN 13789, Relatora Adriana Cristina Dullius Britto, julgado em 8 de fevereiro de 2017; e Recurso CRSFN 5783, relator Bolivar Tarragó Moura Neto, julgado em 29 de março de 2005; Recurso CRSFN 12972, relator José Augusto Mattos da Gama, julgado em 28 de abril de 2015.

3  Acórdão de 9 de agosto de 1971 no Habeas Corpus nº 2.555 – Espírito Santo, Relator Ministro Godoy da Ilha, 2ª Turma do Tribunal Federal de Recursos.

4  CC 31072 – Rio de Janeiro, Relator Ministro Hamilton Carvalhido, 18 de fevereiro de 2002.

5  Por exemplo: Recurso Especial nº 938.979 – Distrito Federal (2007/0075055-2), Relator Ministro Luis Felipe Salomão, 19 de junho de 2012.

6  Súmula 596 do Supremo Tribunal Federal (STF) e artigo 591 do Código Civil.

7  Marcelo Ciampolini (Diretor da Lendico no Brasil): Fintechs de Crédito e BC: mais um passo para mudar o mercado de crédito no Brasil.

8  As operações de empréstimo realizadas pelos devedores são formalizadas mediante a emissão de CCBs pela instituição financeira parceira em favor dos devedores. Essas CCBs são vinculadas aos RDBs (que foram emitidos aos investidores) por meio de operações ativas vinculadas (regidas pela Resolução nº 2.921, de 17 de janeiro de 2002). Assim, o crédito tomado pelo devedor é vinculado ao investimento. O investimento ficará atrelado ao pagamento do empréstimo formalizado mediante CCB.

9  Luiz Roberto de Assis e Fernando de Azevedo Peraçoli. O Poder Judiciário e a cessão de créditos bancários.

The content of this article is intended to provide a general guide to the subject matter. Specialist advice should be sought about your specific circumstances.

To print this article, all you need is to be registered on Mondaq.com.

Click to Login as an existing user or Register so you can print this article.

Authors
 
Some comments from our readers…
“The articles are extremely timely and highly applicable”
“I often find critical information not available elsewhere”
“As in-house counsel, Mondaq’s service is of great value”

Up-coming Events Search
Tools
Print
Font Size:
Translation
Channels
Mondaq on Twitter
 
Register for Access and our Free Biweekly Alert for
This service is completely free. Access 250,000 archived articles from 100+ countries and get a personalised email twice a week covering developments (and yes, our lawyers like to think you’ve read our Disclaimer).
 
Email Address
Company Name
Password
Confirm Password
Position
Mondaq Topics -- Select your Interests
 Accounting
 Anti-trust
 Commercial
 Compliance
 Consumer
 Criminal
 Employment
 Energy
 Environment
 Family
 Finance
 Government
 Healthcare
 Immigration
 Insolvency
 Insurance
 International
 IP
 Law Performance
 Law Practice
 Litigation
 Media & IT
 Privacy
 Real Estate
 Strategy
 Tax
 Technology
 Transport
 Wealth Mgt
Regions
Africa
Asia
Asia Pacific
Australasia
Canada
Caribbean
Europe
European Union
Latin America
Middle East
U.K.
United States
Worldwide Updates
Check to state you have read and
agree to our Terms and Conditions

Terms & Conditions and Privacy Statement

Mondaq.com (the Website) is owned and managed by Mondaq Ltd and as a user you are granted a non-exclusive, revocable license to access the Website under its terms and conditions of use. Your use of the Website constitutes your agreement to the following terms and conditions of use. Mondaq Ltd may terminate your use of the Website if you are in breach of these terms and conditions or if Mondaq Ltd decides to terminate your license of use for whatever reason.

Use of www.mondaq.com

You may use the Website but are required to register as a user if you wish to read the full text of the content and articles available (the Content). You may not modify, publish, transmit, transfer or sell, reproduce, create derivative works from, distribute, perform, link, display, or in any way exploit any of the Content, in whole or in part, except as expressly permitted in these terms & conditions or with the prior written consent of Mondaq Ltd. You may not use electronic or other means to extract details or information about Mondaq.com’s content, users or contributors in order to offer them any services or products which compete directly or indirectly with Mondaq Ltd’s services and products.

Disclaimer

Mondaq Ltd and/or its respective suppliers make no representations about the suitability of the information contained in the documents and related graphics published on this server for any purpose. All such documents and related graphics are provided "as is" without warranty of any kind. Mondaq Ltd and/or its respective suppliers hereby disclaim all warranties and conditions with regard to this information, including all implied warranties and conditions of merchantability, fitness for a particular purpose, title and non-infringement. In no event shall Mondaq Ltd and/or its respective suppliers be liable for any special, indirect or consequential damages or any damages whatsoever resulting from loss of use, data or profits, whether in an action of contract, negligence or other tortious action, arising out of or in connection with the use or performance of information available from this server.

The documents and related graphics published on this server could include technical inaccuracies or typographical errors. Changes are periodically added to the information herein. Mondaq Ltd and/or its respective suppliers may make improvements and/or changes in the product(s) and/or the program(s) described herein at any time.

Registration

Mondaq Ltd requires you to register and provide information that personally identifies you, including what sort of information you are interested in, for three primary purposes:

  • To allow you to personalize the Mondaq websites you are visiting.
  • To enable features such as password reminder, newsletter alerts, email a colleague, and linking from Mondaq (and its affiliate sites) to your website.
  • To produce demographic feedback for our information providers who provide information free for your use.

Mondaq (and its affiliate sites) do not sell or provide your details to third parties other than information providers. The reason we provide our information providers with this information is so that they can measure the response their articles are receiving and provide you with information about their products and services.

If you do not want us to provide your name and email address you may opt out by clicking here .

If you do not wish to receive any future announcements of products and services offered by Mondaq by clicking here .

Information Collection and Use

We require site users to register with Mondaq (and its affiliate sites) to view the free information on the site. We also collect information from our users at several different points on the websites: this is so that we can customise the sites according to individual usage, provide 'session-aware' functionality, and ensure that content is acquired and developed appropriately. This gives us an overall picture of our user profiles, which in turn shows to our Editorial Contributors the type of person they are reaching by posting articles on Mondaq (and its affiliate sites) – meaning more free content for registered users.

We are only able to provide the material on the Mondaq (and its affiliate sites) site free to site visitors because we can pass on information about the pages that users are viewing and the personal information users provide to us (e.g. email addresses) to reputable contributing firms such as law firms who author those pages. We do not sell or rent information to anyone else other than the authors of those pages, who may change from time to time. Should you wish us not to disclose your details to any of these parties, please tick the box above or tick the box marked "Opt out of Registration Information Disclosure" on the Your Profile page. We and our author organisations may only contact you via email or other means if you allow us to do so. Users can opt out of contact when they register on the site, or send an email to unsubscribe@mondaq.com with “no disclosure” in the subject heading

Mondaq News Alerts

In order to receive Mondaq News Alerts, users have to complete a separate registration form. This is a personalised service where users choose regions and topics of interest and we send it only to those users who have requested it. Users can stop receiving these Alerts by going to the Mondaq News Alerts page and deselecting all interest areas. In the same way users can amend their personal preferences to add or remove subject areas.

Cookies

A cookie is a small text file written to a user’s hard drive that contains an identifying user number. The cookies do not contain any personal information about users. We use the cookie so users do not have to log in every time they use the service and the cookie will automatically expire if you do not visit the Mondaq website (or its affiliate sites) for 12 months. We also use the cookie to personalise a user's experience of the site (for example to show information specific to a user's region). As the Mondaq sites are fully personalised and cookies are essential to its core technology the site will function unpredictably with browsers that do not support cookies - or where cookies are disabled (in these circumstances we advise you to attempt to locate the information you require elsewhere on the web). However if you are concerned about the presence of a Mondaq cookie on your machine you can also choose to expire the cookie immediately (remove it) by selecting the 'Log Off' menu option as the last thing you do when you use the site.

Some of our business partners may use cookies on our site (for example, advertisers). However, we have no access to or control over these cookies and we are not aware of any at present that do so.

Log Files

We use IP addresses to analyse trends, administer the site, track movement, and gather broad demographic information for aggregate use. IP addresses are not linked to personally identifiable information.

Links

This web site contains links to other sites. Please be aware that Mondaq (or its affiliate sites) are not responsible for the privacy practices of such other sites. We encourage our users to be aware when they leave our site and to read the privacy statements of these third party sites. This privacy statement applies solely to information collected by this Web site.

Surveys & Contests

From time-to-time our site requests information from users via surveys or contests. Participation in these surveys or contests is completely voluntary and the user therefore has a choice whether or not to disclose any information requested. Information requested may include contact information (such as name and delivery address), and demographic information (such as postcode, age level). Contact information will be used to notify the winners and award prizes. Survey information will be used for purposes of monitoring or improving the functionality of the site.

Mail-A-Friend

If a user elects to use our referral service for informing a friend about our site, we ask them for the friend’s name and email address. Mondaq stores this information and may contact the friend to invite them to register with Mondaq, but they will not be contacted more than once. The friend may contact Mondaq to request the removal of this information from our database.

Security

This website takes every reasonable precaution to protect our users’ information. When users submit sensitive information via the website, your information is protected using firewalls and other security technology. If you have any questions about the security at our website, you can send an email to webmaster@mondaq.com.

Correcting/Updating Personal Information

If a user’s personally identifiable information changes (such as postcode), or if a user no longer desires our service, we will endeavour to provide a way to correct, update or remove that user’s personal data provided to us. This can usually be done at the “Your Profile” page or by sending an email to EditorialAdvisor@mondaq.com.

Notification of Changes

If we decide to change our Terms & Conditions or Privacy Policy, we will post those changes on our site so our users are always aware of what information we collect, how we use it, and under what circumstances, if any, we disclose it. If at any point we decide to use personally identifiable information in a manner different from that stated at the time it was collected, we will notify users by way of an email. Users will have a choice as to whether or not we use their information in this different manner. We will use information in accordance with the privacy policy under which the information was collected.

How to contact Mondaq

You can contact us with comments or queries at enquiries@mondaq.com.

If for some reason you believe Mondaq Ltd. has not adhered to these principles, please notify us by e-mail at problems@mondaq.com and we will use commercially reasonable efforts to determine and correct the problem promptly.